História, modernidade e identidade no pensamento social brasileiro nos séculos XIX e XX

Código M04

Responsável pelo Minicurso:

Cairo de Souza Barbosa, bacharel e licenciado em história pela UERJ, atualmente é mestrando do Programa de Pós-Graduação em História Social da Cultura, na PUC-RJ, sob orientação da Profª Dra. Maria Elisa Noronha de Sá

Gabriel Felipe Oliveira de Mello, bacharel em história pela UERJ, atualmente é mestrando do Programa de Pós-Graduação em História Social – PPGHIS – UFRJ, sob orientação do Prof. Dr. Felipe Charbel.

Renan Siqueira Moraes, bacharel, licenciado e Mestre em História pelo PPGH-UERJ, atualmente é doutorando do PPGH da Universidade Federal de Ouro Preto – UFOP, sob orientação do Prof. Dr. Matheus Pereira.

Objetivos do Minicurso:

Este minicurso pretende colocar em debate algumas leituras do que se convencionou chamar de “pensamento social brasileiro”, entendido a partir de seus aspectos de ruptura e continuidade ao longo da história. Diante da imensidão de possibilidades, optou-se em primeiro lugar por alguns recortes temporais, que demarcam o período entre 1870-1970. Além disso, do ponto de vista temático, nosso eixo analítico circundará duas questões centrais: em primeiro lugar, o apontamento das discussões intelectuais a partir do cruzamento das noções de modernidade e identidade, que atravessam o debate público no Brasil de forma mais potente ao menos desde o século XIX. Depois, pretendemos indicar possibilidades de leituras sobre as concepções de história construídas nas tessituras dos textos aqui elencados. Dito isto pretendemos,

– Compreender as considerações de alguns intelectuais do período sobre a identidade nacional, as ordens do tempo e do espaço que formaram a brasilidade e os sentidos da modernização em debates raciais e racialistas

– Discutir as fronteiras entre o ensaísmo e a crítica entre as décadas de 1930-1950 a partir da estudos de história da literatura brasileira. No debate, questões relativas à nação, à cultura, à modernização e aos sentidos da formação a partir das manifestações literárias desde a colônia.

– Analisar e discutir as produções do pensamento social brasileiro ao longo das décadas de 1950 e 1970, procurando demonstrar os diagnósticos dos problemas e as propostas de modernização e superação do chamado subdesenvolvimento no Brasil, buscando também identificar a discussão acerca questão social e racial no Brasil.

Bibliografia:

Pensamento social brasileiro entre 1890-1920

  • BOMFIM, Manoel [1905]. As novas sociedades. In. A América Latina. Males de origem. Rio de Janeiro: Topbooks, 2005.
  • RODRIGUES, Raimundo Nina. O Brasil antropológico e étnico. In. As raças humanas e a responsabilidade penal no Brasil. Rio de Janeiro: Imprensa Econômica, 1894.
  • QUERINO, Manuel. O colono preto como fator da civilização brasileira. In. Afro-Ásia, Salvador, n. 13, 1980.

Pensamento social brasileiro entre 1930-1950

  • MOOG, Vianna [1942]. Uma interpretação da literatura brasileira. Um arquipélago cultural. 2. ed. Rio de Janeiro: Antares; Brasília: INL, 1983.
  • CANDIDO, Antonio [1959]. Formação da literatura brasileira: momentos decisivos. 6. ed. Belo. Horizonte, Editora Itatiaia Ltda, 2000.
  • SODRÉ, Nelson Werneck [1939]. História da Literatura Brasileira. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995.

Pensamento social brasileiro entre 1950-1970

  • RAMOS, Alberto Guerreiro [1960]. O Problema Nacional do Brasil. Rio de Janeiro: Saga, 1961.
  • RAMOS, Alberto Guerreiro. [1958]. A redução Sociológica. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 1996
  • FERNANDES, Florestan. A Revolução burguesa no Brasil – Ensaio de interpretação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1976.
  • MARINI, Ruy Mauro. Dialética da Dependência. Petrópolis, RJ: Vozes; Buenos Aires: CLACSO, 2000