Ser e tornar-se negra(o): reflexões de gênero e raça na educação.

Código M03

Responsáveis pelo Minicurso:
Ângela Silva Sousa – Mestre em Educação – Instituição: PUC/RJ. Professora dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental na Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro. Currículo lattes: http://lattes.cnpq.br/2138642440525864
Fernanda Chamarelli de Oliveira – Mestranda em História Social da Cultura – Instituição: PUC/RJ. Professora dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental na Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e Professora de História na Rede Estadual de Ensino do Rio de Janeiro. Currículo lattes: http://lattes.cnpq.br/7878993863983318
Flavio Braga Mota – Mestrando em História pelo Mestrado Profissional em Ensino de História – Instituição: UERJ. Professor de História dos Anos Finais do Ensino Fundamental na Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e no Ensino Médio na Rede Estadual de Ensino do Rio de Janeiro. Currículo lattes: http://lattes.cnpq.br/3221225084467156

Objetivos do Minicurso:

Conhecer a legislação vigente sobre o estudo da história e cultura africana e afro-brasileira, bem como suas diretrizes e possíveis aplicabilidades na sala de aula.
1. Discutir sobre o tornar-se negro e a implicância disto tanto para o professor em termos se maior identificação com a temática quanto para o aluno em termos da importância deste empoderamento enquanto um ato político.
2. Refletir sobre o currículo escolar e seu formato eurocêntrico. Sobre a inclusão e a exclusão de temas e conteúdos. Por que esses e não outros?
3. Valorizar o conhecimento da história feminina africana e fazer um contraponto das questões de gênero africanas e a realidade brasileira.

Bibliografia:

  • ADESINA, J. Práticas da Sociologia Africana: Lições de endogeneidade e gênero na academia. Como fazer ciências sociais e humanas em África. In: CRUZ e SILVA, Teresa; COELHO, João Borges; SOUTO, Amélia Neves. Como fazer ciências sociais e humanas em África: Questões teóricas metodológicas, teóricas e políticas (textos do Colóquio em homenagem a Aquino de Bragança). Dakar, CORDESRIA, 2012.
  • BRASIL. Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnicoraciais e para o ensino da História afro-brasileira e africana. Brasília/DF: SECAD/ME, 2004.
  • BRASIL, Plano Nacional das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico- Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana, Brasília: SECAD; SEPPIR, junho, 2009.
  • ____________. Lei 10.639 de 9 de Janeiro de 2003. D.O.U. 10 de Janeiro de 2003.
  • HOUNTONDI, Paulin J. Conhecimento de África, conhecimento de africanos: duas perspectivas sobre os estudos africanos. Revista Crítica de Ciências Sociais (Coimbra), nº80, 2008.
  • PRADO, Eliane e FÁTIMA, Lilian. Os desafios da prática docente na aplicação da lei 10.639/03. Revista Intersaberes. vol.11, n.22, p. 124 – 139, jan.- abr. 2016.