Dicas da Comissão Sobre o Rio de Janeiro

 

SOBRE A UERJ

A história da Universidade do Estado do Rio de Janeiro começa em 1950, com a fundação da Universidade do Distrito Federal (UDF). Ao longo dessas décadas, a UERJ cresceu e firmou-se como uma das principais universidades do País. Sua importância no espaço acadêmico brasileiro pode ser atestada pela qualidade da formação superior que oferece, pelo valor da sua produção científica, pelas centenas de projetos de extensão em desenvolvimento, pela promoção da cultura e pelos inúmeros serviços prestados à população. Em 2003 foi a primeira universidade do país a instituir o sistema de ingresso por cotas raciais, seguindo sua trajetória de inclusão e qualidade. O Campus Maracanã, ou Francisco Negrão de Lima, começou a ser erguido em 1961, mas só foi inaugurado em 1976. Atualmente a universidade passa por uma grave crise financeira, por conta dos cortes sistemáticos no seu orçamento. Mas continua existindo e resistindo contrariando os boatos de que seria fechada ou privatizada em breve. Como exemplo, a UERJ comemora os resultados alcançados pelos seus Programas de Pós-graduação stricto sensu na avaliação quadrienal da CAPES, divulgado recentemente. O panorama geral é de programas de pós-graduação vital e de qualidade, demonstrando sua resiliência em meio ao cenário de crise.

TRANSPORTE

A maneira mais fácil de chegar ao Campus Maracanã é através da linha de metrô 2 (verde). É só descer na Estação Maracanã e seguir na passarela. À direita siga para a UERJ, no lado oposto ao do Estádio do Maracanã. Há também a linha do trem da SUPERVIA que para na Estação Maracanã. As duas estações são integradas e bem estruturadas, legado da Copa do Mundo e Olimpíadas, que teve no vizinho da UERJ, o estádio do Maracanã, suas partidas e cerimônias. Quem optar pelos serviços de trem ou metrô poderá comprar os bilhetes de embarque unitários à venda nos guichês das estações. Ou adquirir o cartão METRÔ Rio ou o RIOCARD, também à venda nas estações. O RiOCARD também pode ser usado nas linhas de ônibus e no VLT (que não atende a região da UERJ). Há também a possibilidade de deslocamento por várias linhas de ônibus, algumas são, (232, 239, 247, 432, 434, 438, 455, 457, 629). Sugerimos que baixem o aplicativo MOVE para auxiliá-los nos deslocamento pelo transporte público. Serviços como UBER, Cabify, Easy taxi, 99 também funcionam perfeitamente na cidade e são bem econômicos. Há ainda os tradicionais táxis amarelos. Nas duas portarias principais de acesso à universidade existem pontos de táxi. A quem vai de carro lembramos que a UERJ não oferece estacionamento em suas dependências.

 

MAPA DA REGIÃO DA UERJ

 

PARA COMER:

Para quem vai ao evento e quiser economizar na alimentação e otimizar o tempo para aproveitar todas as atividades lembramos que na maior parte dos andares da universidade existe restaurantes, tipo self-service, com preços que variam entre R$ 25,90 a R$ 40,90, o quilo. Nas redondezas da UERJ há ainda alguns outros restaurantes, como o Rio 40 Graus, uma churrascaria com comida a quilo,na Avenida São Francisco Xavier esquina com Rua Felipe Camarão (na frente do portão B). Há ainda as opções de restaurantes e lanchonetes das praças de alimentação de dois shoppings próximos: o Shopping Tijuca (1,7km de distância) e o Boulevard Shopping (2,3 km de distância).

Outros restaurantes na região:

  • Restaurante Siri – aberto a partir das 11h, todos os dias da semana, especializado em frutos do mar. Rua dos Artistas, 2 |Vila Isabel – http://restaurantesiri.com.br/Siri/
  • Macajuba Bar e Restaurante – aberto a partir de 11, todos os dias da semana. Comida caseira e chopp. Avenida São Francisco Xavier, 428 |Maracanã.
  • Candelabro Bar e Restaurante – aberto a partir de 11h, todos os dias. Rua Senador Furtado, 74 | Maracanã.
  • Didinas Bar e Restaurante – aberto todos os dias – Avenida São Francisco Xavier, 507 | Maracanã.

BANCOS:

Dentro do prédio da UERJ existe somente um caixa eletrônico do Bradesco no primeiro andar, assim como há uma agência do mesmo banco nas dependências do campus. Na Avenida 28 de Setembro, em direção à Vila Isabel, há agências do Banco do Brasil, Itaú, Santander e Caixa. Na estaçãode metrô Maracanã existem caixas eletrônicos 24 horas

 

DICAS CULTURAIS:

Nós, da Comissão Organizadora da XII Semana de História Política da UERJ, concordamos que o Rio de Janeiro é umas das cidades brasileiras mais incríveis no que diz respeito aos vários equipamentos culturais espalhados em vários pontos. Abaixo selecionamos alguns locais, que entre uma conferência e outra, ou para quem for ficar na cidade num dos finais de semana, antes ou depois do evento.

  • Centro Cultural da Caixa – Unidade Barroso – Av. Almirante Barroso, 25| Centro – Metrô e VLT: Estação Carioca. O espaço já se tornou referência de cultura na cidade do Rio de Janeiro. A programação garante o acesso gratuito às exposições, debates, visitas guiadas, shows, oficinas e afins, e os espetáculos e mostras de cinemas têm preços populares.
    http://www.caixacultural.com.br/SitePages/unidade-informacoes-gerais.aspx?uid=6
  • Museu Nacional de Belas Artes – Avenida Rio Branco, 199 | Centro (Cinelândia) – Rio de Janeiro- Metrô e VLT: Cinelândia.Terça a sexta-feira das 10 às 18hs; Sábados, domingos e feriados das 13 às 18 horas.- Ingressos: R$ 8,00 e meia: R$ 4,00 – GRÁTIS AOS DOMINGOS.O edifício de arquitetura eclética foi projetado em 1908 para sediar a Escola Nacional de Belas Artes, herdeira da Academia Imperial de Belas Artes. Percorrendo suas galerias, o visitante pode vislumbrar, como em poucos espaços culturais do país, a história das artes plásticas no Brasil desde os seus primórdios até a contemporaneidade.
    http://mnba.gov.br/portal/
  • Theatro Municipal do Rio de Janeiro – Praça Floriano, s/nº | Cinelândia, Rio de Janeiro
    Sala Mário Tavares: Av. Almirante Barroso, 14-16. Metrô e VLT: Cinelândia.
    Um dos mais imponentes e belos prédios do Rio de Janeiro, o Theatro Municipal, inaugurado em 14 de julho de 1909, é considerado a principal casa de espetáculos do Brasil e uma das mais importantes da América do Sul. Tem vasta programação de música, teatro e dança. As visitas guiadas ocorrem entre 11 as 16h, de terça às sexta. Sábados, domingos e feriados ocorrem nos horários de 11h, 12h e 13h. Custam entre R$ 10 (meia) e R$ 20 (inteira).
    http://www.theatromunicipal.rj.gov.br/
  • Biblioteca Nacional – Av. Rio Branco 219| Cinelândia, Rio de Janeiro, RJ. Metrô e VLT: Cinelândia.
    A Biblioteca Nacional está aberta para visita de segunda a sexta, das 9h às 17h. Os visitantes, munidos de documento com foto, podem conhecer por dentro esse belo prédio histórico, com destaque para sua arquitetura imponente, que inclui escadarias, amplas claraboias em vitral colorido, bela ornamentação, salas preservadas, além das obras de arte, como quadros e esculturas. A visita orientada na Biblioteca Nacional é gratuita e pode ser realizada em três idiomas: Português, inglês e espanhol.
    https://www.bn.gov.br/
  • Museu de Arte do Rio (MAR)– Praça Mauá, 5| Centro – Rio de Janeiro. VLT: Estação Parada dos Museus.
    O Museu de Arte do Rio promove uma leitura transversal da história da cidade, seu tecido social, sua vida simbólica, conflitos, contradições, desafios e expectativas sociais. Suas exposições unem dimensões históricas e contemporâneas da arte por meio de mostras de longa e curta duração, de âmbito nacional e internacional
    R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia).Às terças, a entrada é gratuita.Bilhete Único dos Museus (Museu do Amanhã + MAR):R$ 32 (inteira) e R$ 16 (meia)
    http://www.museudeartedorio.org.br/
  • Museu do Amanhã –Praça Mauá, 1 – Centro – Rio de Janeiro. VLT: Estação Parada dos Museus.
    O mais novo museu da cidade do Rio de Janeiro intriga pela sua arquitetura à beira da Baía de Guanabara e a sua proposta. Além de toda a polêmica sobre o seu levantamento e gerenciamento pela Fundação Roberto Marinho. É um museu de ciências diferente. Um ambiente de ideias, explorações e perguntas sobre a época de mudanças em que vivemos e os diferentes caminhos que se abrem para o futuro.
    R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia).Às terças, a entrada é gratuita.Bilhete Único dos Museus (Museu do Amanhã + MAR):R$ 32 (inteira) e R$ 16 (meia)
    https://museudoamanha.org.br/
  • Real Gabinete Português de Leitura – Rua Luís de Camões, 30 |Centro – Rio de Janeiro (próximo à Praca Tiradentes), ao lado do IFCS – UFRJ. Pelo seu prestígio nos meios intelectuais, pela beleza arquitetônica do seu edifício e a importância do acervo bibliográfico, o local é uma instituição notável representado um pedaço de Portugal no Brasil. O prédio é aberto a visitação e tem entrada gratuita. Assim como pode-se consultar livros ou estudar no local.
    http://www.realgabinete.com.br/portalWeb/
  • Museu da Maré – Rua Guilherme Maxwell, 26|Maré – Rio de Janeiro. (21) 3868-6748
    O Museu da Maré é um conjunto de ações voltadas para o registro, preservação e divulgação da história das comunidades da Maré e foi fundado em 2006. Surgiu a partir do desejo dos moradores de terem o seu lugar de memória, um lugar de imersão no passado e de olhar para o futuro, na reflexão sobre as referências dessa comunidade, das suas condições e identidades, de sua diversidade cultural e territorial.
    http://museudamare.org.br/
  • Paço Imperial – Praça XV de Novembro, 48| Centro – Rio de Janeiro.
    Antiga residência do governador e do Vice-Rei, no século XVIII, e depois da chegada da família real portuguesa, tornou-se a residência oficial dos monarcas e, depois de 1822, dos imperadores, passando as e chamar Paço Real. É um espaço multicultural com programação dedicada às artes visuais e cênicas, exposições, seminários. E conta com uma lojas de souvenirs, livraria e um café e um restaurante.
    http://www.amigosdopacoimperial.org.br/
  • Museu da República – Rua do Catete, 153 | Catete – Rio de Janeiro – Metrô Catete
    O imponente prédio foi símbolo do poder econômico da elite cafeicultora escravocrata do Brasil oitocentista. Em 1896, o Palácio foi adquirido pelo Governo Federal para sediar a Presidência da República. Do Palácio emergem, ainda, memórias de momentos de consternação e comoção nacional, como o velório do presidente Afonso Pena, em 1909, e o suicídio de Getúlio Vargas, em 1954.Com a transferência da capital para Brasília, em 1960, o antigo palácio tornou-se o Museu da República, que por intermédio de suas ambientações, das exposições temporárias, de longa duração e dos eventos culturais, busca oferecer ao visitante um panorama da história republicana. O próprio prédio, sua decoração e arquitetura, fotos, documentos, objetos, mobiliário e obras de arte dos séculos XIX e XX integram seu acervo, exposto nos diversos salões do Palácio. Conta com ainda com loja de souvenirs, um cinema, um café e um jardim, onde ocorrem shows e é um espaço de descanso e passeio.
    http://museudarepublica.museus.gov.br/
  • Centro Cultural Banco do Brasil – Rua Primeiro de Março, 166 |Centro – Rio de Janeiro –Funcionamento: de quarta a segunda, das 9h às 21h.
    No final da década de 1980, resgatando o valor simbólico e arquitetônico do prédio, o Banco do Brasil decidiu pela sua preservação ao transformá-lo em um centro cultural. O projeto de adaptação preservou o requinte das colunas, dos ornamentos, do mármore que sobe do foyer pelas escadarias e retrabalhou a cúpula sobre a rotunda. Inaugurado em 12 de outubro de 1989, o CCBB Rio de Janeiro transformou-se rapidamente em um dos centros culturais mais importantes do País. Na lista dos 100 museus mais visitados do mundo em 2016 da publicação inglesa The ArtNewspaper, o Centro Cultural do Banco do Brasil no Rio de Janeiro ocupa a 26ª colocação com 2.216.880 visitantes.
    http://culturabancodobrasil.com.br/portal/rio-de-janeiro/
  • IPN – Instituto dos Pretos Novos – Rua Pedro Ernesto, 32 | Gamboa – Região Portuária – A transferência do mercado de escravos da região da Rua Primeiro de Março (antiga Rua Direita) para a do Valongo implicou mudança do Cemitério dos Pretos Novos do Largo de Santa Rita para o Caminho da Gamboa – hoje a Rua Pedro Ernesto 32, endereço do Instituto Pretos Novos (IPN). Pretos Novos eram os cativos recém-chegados ao Brasil. Muitas vezes, não resistiam aos maus tratos da viagem desde a África e morriam pouco depois de desembarcar. O sítio arqueológico foi descoberto em 1996, quando moradores reformavam a casa, com a recuperação urbanísticas a descoberta foi bem além. Arqueólogos identificaram milhares de fragmentos de restos mortais de jovens, homens, mulheres e crianças, africanos recém-chegados. O Instituto surgiu para dá conta dessa história e dos homens e mulheres que aqui chegaram para serem escravizados, no século XIX. Junto com IPN, o Cais do Valongo, recém considerado Patrimônio da Humanidade, integra essa história incrível e obscura da cidade do Rio de Janeiro.
    http://visit.rio/que_fazer/memorial-dos-pretos-novos/

PARA SE DIVERTIR

Para quem se interessar em curtir o Rio de Janeiro, para além da XII Semana de História, embaixo segue alguns locais e regiões da cidade para se divertir. Sobre os eventos que acontecerão na semana da XII SHP indicamos a consulta ao site https://chickenorpasta.com.br/guia-fim-de-semana

  • Bar da Cachaça – Esquina das Ruas Mem de Sá e Gomes Freire – Lapa – Turistas e cariocas dividem a rua e a calçada, em busca de variedades das cachaças de todo o país e cerveja gelada, clima de azaração e encontros.
  • Vaca Atolada – Rua Gomes Freire, 533 – Lapa. Ótimo bar um ambiente agradável, reduto do samba de raiz da melhor qualidade, as especialidades da casa são os petiscos e a cerveja gelada e a roda de samba que vara as noites de sextas e sábados. Para quem é fã de samba, vale muito a pena. Entrada gratuita.
  • Rivalzinho – Rua Alvaro Alvim – Cinelândia – Centro – Bar contíguo ao Teatro Rival, em que alternativos da cidade se encontram para um happy hour ou um esquenta nas sextas e sábados, entre 19h e 00h. Som na rua, cerveja gelada, clima de azaração. Metrô Cinelândia.
  • Chorinho da Glória – Bar Pé de Santa – Rua Benjamin Constant esquina com Rua do Fialho, Bairro Glória – Todas as quartas-feiras. Grupo toca grandes sucessos do chorinho e reúne um público jovem que se encontra ao pé da escadaria e tem no bar, local para o consumo de comida gelada e tira-gostos, como pastéis e caldos. Metrô Glória.
  • Bar do Nanam – Na região da Praça Tiradentes, no Centro do Rio, esse bar atrai amantes da boa música, do forró ao jazz, passando pela MPB e ska/reggae Em cada dia da semana se dedica a um estilo musical, a partir da quinta-feira até o sábado. Gratuito, na rua, com cerveja gelada e os bares no entorno servem tira-gostos e caldos.
  • Praça Varnhagen – Tijuca – Para quem gosta de mais movimento e agitação, os bares ao redor dessa praça, são movimentados, como o Buxixo, Só Kana, Garota da Tijuca e Rota 66. A opção de shows ao vivo fica por conta do Universo da Cerveja, todos os dias com uma programação musical diferente. Já a animação da noite é focada no BuxixoUp, uma casa noturna localizada em cima do famoso bar Buxixo. Há também outras opções de lazer, como o Moais Snooker Bar, que possui mesas de sinuca para o público que curte uma boa partida do jogo. Metrô SaensPeña.
  • Baixo Botafogo – Todo “point” no Rio é chamado de baixo. E Botafogo também tem o seu. O finalzinho da Rua Voluntários da Pátria e seus entornos concentram uma grande quantidade de bares, restaurantes e botecos. De noite, os estabelecimentos mais procurados lotam as ruas com suas mesas e cadeiras e viram cenários de papos de duram a noite inteira. Metrô Botafogo.
  • Samba do Trabalhador – Toda segunda-feira Moacyr Luz comanda uma das melhores rodas da cidade, o Samba do Trabalhador. O local é o Clube Renascença, um antigo reduto do movimento negro, dos anos 50 aos 90. Rua Barão de São Francisco, 54 – Andaraí. De 17 às 22h. Ingresso: R$ 20,00.
  • Ensaios das Escolas de Samba – Os ensaios de quadra reúnem jovens, comunidade, turistas e famosos em concorridas festas, onde as rainhas da bateria e musas das escolas costumam ser presença fixa. É preciso checar a programação com as escolas, que, além do samba, consolidaram-se no roteiro carnavalesco com outros atrativos. Algumas dicas: Salgueiro (azaração); Vila Isabel (gente bonita), Mangueira (ponto turístico). Na Mocidade Independente e na Portela, o samba é o grande protagonista, com destaques para a bateria e os sambistas tradicionais.
    Acompanhe toda a programação no
    http://www.mapadecultura.rj.gov.br/manchete/ensaios-na-quadra-das-escolas-de-samba
  • Circo Voador – Em todos esses anos de intensa atividade, o Circo Voador consolidou um raro pacto de credibilidade com o público carioca. Lugares de clássicos shows e festas importantes, como nomes nacionais e internacionais, o local tem programação durante boa parte
    da semana, a partir de quinta-feira. Os ingressos geralmente custam entre R$40 e R$60. Vale a pena conferir a programação: http://www.circovoador.com.br/agenda.
  • SHOWS

    • AngelaRorô – Teatro Rival – 30/09
    • Tom Zé + Francisco, El Hombre – Circo Voador – 30/09
    • Caetano, Zeca, Moreno e Tom Veloso – Teatro NET Rio – 04/10
    • Planet Hemp – Circo Voador – 06/10
    • MadelenePyeroux Trio – Theatro Municipal – 06/10
    • Flávio Venturini – Imperator Centro Cultural João Nogueira – 07/10
    • Lenine – Circo Voador – 07/10.

    Outros lugares para dançar (fica a dica da Comissão para pesquisarem esses espaços e suas programações):

    • Pedra do Sal (soul, funk)
    • Club La Paz (eletrônico)
    • Anexo Bar (alternativo, MPB)
    • Zero Zero(pop, funk, eletrônico)
    • The Week (pop, eletrônico)
    • Rio Scenarium (samba)
    • Trapiche Gamboa (samba)
    • Eden Club (indie, pop, eletrônico)
    • Fosfobox (indie, pop, eletrônico)
    • NAU – Nucleo de Arte Urbana – (local de festas pop, brasilidades, eletrônicas, alternativas)
    • TribOz – (jazz, bossa nova)
    • Santo Scenarium – (samba, jazz, bossa nova)
    • Centro Municipal de Referência da Música Carioca Artur da Távola (Samba, MPB)
    • Lapa 40 Graus (samba, pop, pagode)
    • Leviano Bar (salsa às quintas-feiras)

    PRAIAS

    As praias mais acessíveis para quem estar na região sul e central, assim como na zona norte – aonde se pode chegar de metrô e ônibus – são Leme, Copacabana, Arpoador, Ipanema e Leblon. Na zona oeste, as praias são melhores, mas é mais difícil de chegar, embora com a extensão do metrô Linha Amarela 4 – até a Estação Jardim Oceânico tem facilitado o acesso às praias da região. São elas: Barra, Reserva e Recreio. Sempre é bom verificar antes se há ressacas na praia que deseja ir e se as condições de balneabilidade estão seguras.